Boletins

Boletim #2

As Despesas Familiares com Transporte e o Programa de Apoio à Redução Tarifária

As despesas com transportes representam em Portugal e para a média da União Europeia a terceira principal categoria de despesas da classificação do consumo individual por objetivo (COICOP), sendo as duas primeiras categorias a Habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis e os Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas. Portugal é o segundo país da União Europeia com maior percentagem de despesas com a utilização de veículo pessoal. Em média, a despesa com transportes corresponde a 15.6% do rendimento monetário líquido por agregado e 10.1% do rendimento monetário é consumido pelos gastos com a utilização de veículo pessoal. É junto de 20% da população portuguesa com menores rendimentos (1º quintil de rendimento) que as despesas com os transportes assumem maior peso no rendimento monetário das famílias, representando quase um quinto deste rendimento (18.9%). Por outro lado, apenas 38% das famílias apresentam despesas com serviços de transporte em Portugal e apenas 11% das deslocações na Área Metropolitana do Porto e 15.7% das deslocações na área metropolitana de Lisboa são feitas através de transporte público ou coletivo. O Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) procura incentivar a utilização dos transportes públicos através de um apoio anual orientado para um ajustamento tarifário e expansão da oferta de serviços de transporte. Esta redução tarifária permitirá uma poupança nas assinaturas mensais dos percursos mais longos que poderá atingir 68.80€ mensais (825€ anuais) na área metropolitana de lisboa e 87.10€ mensais (1045€ anuais) na área metropolitana do Porto. O Boletim #2 procura analisar as despesas familiares com despesas de transporte e o impacto que o PART poderá ter junto dos agregados familiares em Portugal.

Descarregar Boletim #2